Home »
01 MAR 2018
Nova e talve última carta aberta
ao Presidente do Sporting Club de Portugal, Dr. Bruno de Carvalho
Por Jornal Abarca

Entrei para Sócio do SCP para ver jogar o Mourão, o Pireza, o Soeiro, o Peyroteu e o João Cruz e porque o Sporting era, na minha imaginação juvenil, um clube de “gente fina”, desportivamente bem educada.

Afastado durante meia dúzia de anos por ter ido trabalhar para os Açores, voltei, salvo erro em 1957, para me afastar em 1966, depois de ter contribuido para a renovação dos Estatutos, em conflito com uma decisão, que considerei prepotente, do então Presidente, Dr. Braz Medeiros.

Continuei adepto do Sporting, sofrendo com os desvarios que o futebol foi causando. A construção do novo estádio com a destruição da pista de atletismo, a criação da SAD transformando o Clube numa espécie de empresa comercial, a cobertura que a Banca dava aos gastos exorbitantes com jogadores e treinadores levaram-me a criticar publicamente as direcções que o antecederam e a sentir-me mal por ser crítico e não ser sócio. Voltei assim ao Sporting, em 2013, com o número 100 875, inimaginável para quem aos 13 anos tinha sido o nr. 5707.

Infelizmente, parece que o nosso Clube só cresceu em quantidade.

Embora vivendo longe de Lisboa, e já velho, tenho procurado transmitir aos treinadores que, desde Carlos Queiroz, têm passado pelo Clube o que vi na maneira de jogar dos 5 violinos. Não sei se algum leu os meus mails e cartas. Julgo que não, porque as equipas principais do Sporting que vejo na televisão, jogam mal, não sabem marcar golos e abandonaram o WM para jogarem “cientificamente” no 442 ou no 433, que ninguem consegue ver durante o desafio.

Excepção a esta minha bem intencionada tentativa de ajudar o Sporting a ganhar um campeonato, foi Jorge de Jesus. Senti-me mal ao pensar na veleidade de ensinar o padre-nosso a um cura, que ganha num ano 10 vezes mais do que eu ganharia em 30 anos de reforma se chegasse aos 100...

Dr. Bruno de Carvalho

A primeira carta-aberta que lhe escrevi foi,precisamente para o alertar para o facto de não haver nenhum treinador no mundo que mereça tais ordenados, por muito especiais que sejam, porque nunca podem garantir vitórias, em jogos ou em campeonatos. Creio que também não terá lido o que lhe escrevi.

A pouco e pouco fui reconhecendo que, afinal este Sporting já não era o “meu” Sporting e que o Dr. Bruno de Carvalho nunca poderia ser Presidente desse Sporting por mim idealizado.

E lamento-o, porque sendo para mim inegável que tem amor ao nosso Clube é também evidente que é ainda maior o seu amor-próprio.

Não descubro justificação para esta última Assembleia Geral que tanto o encheu de vento.

Se foram melindres pessoais que o motivaram tenho que lhe perguntar “de que estava à espera” depois de maltratar adversários e consócios ?

Ontem podia ter acontecido uma tragédia se a “gentalha silenciosa” e os “sportingados” estivessem dispostos a confrontos. Há um facto, nunca referido na comunicação social, que o Dr. Bruno de Carvalho não pode ignorar. Se o universo dos sócios do Sporting anda à volta dos 90 mil, e se 5700 lhe manifestaram apoio isso significa quetem do seu lado, no mínimo, 6 % da massa associativa, mas nada lhe garante que a maioria esteja consigo.

Os apelos, emocionados mas patetas, que fez na A. G., só não trarão grande prejuizo aos sócios e simpatizantes do Sporting porque, é triste dizê-lo, ninguém o leva muito a sério.

Dr. Bruno de Carvalho.

Quem fez e faz a glória dos clubes desportivos são os praticantes, os atletas. Os treinadores ajudarão, ensinando o melhor treino que conhecem para alcançarem os seus objectivos, os dirigentes também ajudam, proporcionando-lhes as condições e o ambiente para isso necessários. Mas, com croquetes ou com bons ordenados, os dirigentes são importantes mas acessórios. Não me parece que tenha razão para se vitimizar. Se o Sporting lhe deve, segundo opiniões para mim insuspeitas, um certo equilibrio financeiro e o renascimento de modalidades, também lhe deu, a si, uma notoriedade doutro modo difícil de alcançar.

Um conselho, que não me pediu mas que me atrevo a dar-lhe a bem do Sporting.

Pense duas vezes antes de falar e, se possível, fique calado até o coração voltar ao seu lugar.

Tramagal, 18 de Fevereiro de 2018

António Maria Coelho de Carvalho (sócio do SCP 95.441-0)

(0) Comentários
Escrever um Comentário
Nome (*)

Email (*) (não será divulgado)

Website

Comentário

Verificação
Autorizo que este comentário seja publicado



Comentários

PUB
crónicas remando
PUB
CONSULTAS ONLINE
Interessa-se pela política local?
 81%     Sim
 19%     Não
( 198 respostas )
© 2011 Jornal Abarca , todos os direitos reservados | Mapa do site | Quem Somos | Estatuto Editorial | Editora | Ficha Técnica | Desenvolvimento e Design