Home »
03 NOV 2011
"ÍNDIA", DE AMANDA SOUSA: UMA HISTÓRIA DE ENCANTAR
Por MARGARIDA TRINCÃO

 

Transmitir aos netos, Ricardo e João, a cultura do país onde cresceu. Foi este o motivo para Amanda Sousa, 74 anos, se lançar “com atrevimento e ousadia, com paixão e vontade, mas com grande humildade” na compilação de muitos textos sobre a Índia. O livro, “Índia – Antologia de textos sobre a civilização e cultura indianas”, vai voltar a ser apresentado no dia 5, no Equuspolis, na Golegã

 

Não há dúvidas. Quem nunca sabe qual o direito ou o esquerdo no interior de um prédio, uma placa de madeira – “welcome to our house” – indica que é esse o lado onde mora a família Sousa.

Sente-se o conforto e a calma de quem vive em paz. Há velas, uma música de fundo que pouco tem que ver com este lado ocidental do mundo. Imagens, símbolos e artesanto de uma outra cultura conjugam-se com um oratório com Cristo Crucifixado.

Maria Amanda Lopes de Sousa, filha de pais goeses, nasceu em Zanzibar, mas um ano depois a família regressou a Goa, à aldeia de Saligão. Foi entre mangueiras, coqueiros e arrozais que Amanda cresceu. Casou na Índia com o seu eterno namorado, Estevam de Sousa, goês. Viveram em São Tomé e Princípe e desde 1974 que fixaram residência em Torres Novas.

Afirma que o seu coração é e sempre foi português, mas transporta o exotismo do país onde cresceu. Da casa “grande cheia de luz” – no dizer das suas filhas, Mónica e Sheila – Amanda trouxe o ondular das mãos, o desejo de proporcionar aos netos a possibilidade de conhecerem a Índia “com os olhos do coração e absorver a profunda espiritualidade do seu povo”.

“Observai o Universo na glória de Deus, tudo o que vive e se move na Terra. Deixai o transitório e procurai a alegria do Eterno, não deixeis o coração prender-se às possessões de ontem” (Upanishades), finaliza a dedicatória aos netos da antologia de cerca de 300 páginas, generosamente ilustradas, sobre a história, as religiões, a cultura da Índia. “Quis falar um pouco de tudo, para quem quiser conhecer, possa saber mais adquirindo conhecimentos noutros livros”, continua Amanda.

Ricardo, o neto mais velho, segue a conversa com olhos bem abertos. “O que são dotes?” Amanda conta a história
do seu casamento. “Foi um casamento arranjado pelos padres…”. Estevam dá o seu assentimento. Um dos irmãos de Estevam, que na altura já era médico e estava em África, era padre e juntamente com outros padres achou que devia arranjar uma noiva para o irmão. “Escolheu-me a mim. Não nos conhecíamos, mas quando o vi, pensei ‘aqui está o homem ideal para mim”. E o doutor?: “Não achei feia…”, responde sorrindo, revivendo a cena. “Casámos sem namorar, namorámos depois e continuamos a namorar até agora”, diz Amanda e embevecida continua: “Ele já era médico, a minha família não tinha muitas posses e a minha mãe disse que eu não tinha grande dote. E sabe o que ele respondeu: “Eu só quero os dotes dela”.

O prazer de pensar

“Por cá diz-se ‘se atirarmos uma pedra, aí nascerá uma capela’. Na Índia podemos dizer: ‘se atirarmos uma pedra aí haverá um filosofo”, descreve Amanda para exemplificar a espiritualidade do povo indiano. “Diz-se que a Índia é suja, que tem muitos problemas... A Índia não pode ser vista com os olhos da razão, mas sim com os olhos do coração. Qualquer pessoa, do mais culto ao menos culto está sempre pronto a ‘filosofar’. Mesmo que não saiba, gosta de falar e de pensar”.

Falar, pensar e expressar o seu sentir através das mais diversas formas artísticas e religiosas. É a música, a dança, os enfeites dourados ou as temporárias tatuagens feitas no corpo, nas mãos e nos pés com henna (planta tintureira). São as deusas pintadas nas paredes dos bairros pobres, os tocadores de rua, um mundo a descobrir em cada esquina.

A música fez parte da educação de Amanda. Em casa quase tem uma orquestra. Amanda toca piano, um dos netos viola e o outro violino.

Professora de Inglês, depois de reformada continuou a dar aulas gratuitamente às crianças do ATL da Zona Alta e a associações da terceira idade. “Eu gosto de dar, de contribuir e de organizar festas, com dança, música teatro...”

E de receber, acrescentamos. Sobre a mesa aperitivos indianos, bolo de chocolate e uma vela bem grande coberta de pavios. “As minhas filhas moram aqui na mesma rua. Posso chegar à varanda e chamar por elas, as outras pessoas ouvem mas não se importam. Esta mesa está sempre cheia...”

A Mónica e a Sheila, mães do Ricardo e do João, respectivamente, coube o “desafio” de escrever uma pequena biografia da mãe. “Adora rir, cantar, dançar, contagia toda a família, como quando o sol nasce, com a sua alegria de viver... todo isto ‘sempre transportada nos braços do meu príncipe encantado’, o nosso pai”.

“Índia - Antologia de textos sobre a civilização e cultura indianas” foi o primeiro passo no mundo literário, ou antes o primeiro saído à estampa. Outros se seguiram recordando os tempos de menina em que ao som dos discos de música clássica, “comprados em segunda mão”, lia histórias de encantar. 

(0) Comentários
Escrever um Comentário
Nome (*)

Email (*) (não será divulgado)

Website

Comentário

Verificação
Autorizo que este comentário seja publicado



Comentários

PUB
crónicas remando
PUB
CONSULTAS ONLINE
Interessa-se pela política local?
 81%     Sim
 19%     Não
( 204 respostas )
© 2011 Jornal Abarca , todos os direitos reservados | Mapa do site | Quem Somos | Estatuto Editorial | Editora | Ficha Técnica | Desenvolvimento e Design