Home »
04 MAR 2019
As louvadas singularidades do vinho
Por Jornal Abarca

Ainda bem que o vinho é uma coisa antiga. Se fosse invenção de agora, o mais certo era já estar proscrito pelos moralistas. Nunca as suas qualidades, mesmo as mais bíblicas ou medicinais, seriam apreciadas,. Houve épocas em que a Igreja impunha a plantação de videiras porque de vinho precisava para as suas liturgias…

Apesar da longa tradição nacional no setor, o ponto de viragem da perspetiva dos vitivinicultores em relação à produção de vinhos em Portugal terá tido o início, por uma daquelas ironias, nas ideias de alguém que veio de longe, mas que terá dado o click regenerador, embora muita gente discorde deste ponto de vista. Talvez por que em Portugal sempre houve mais invejosos e zurrapas de criar entorses no fígado do que parreiras de boa cepa. Esse visionário, Michael Porter, professor da Universidade de Harvard, e foi ele e a sua equipa que apresentaram há precisamente 25 anos um relatório essencial sobre as perspetivas de desenvolvimento de Portugal, um estudo onde o precioso fermentado alcoólico ocupava um papel de trave-mestra. (...)

Os vinhos portugueses mostram à evidência a extraordinária diversidade do país. Exprimem a ruralidade abnegada do Douro, a tranquilidade soalheira do Alentejo, o brio castiço do Ribatejo, por vezes as tradições e as melhorias introduzidas pelos frades nas castas mais antigas, e também o temperamento de áreas mais restritas e rústicas. Mas os nossos tintos e brancos, verdes e moscatéis, licorosos ou generosos, com nomes que por si só são um monumento ao marketing nacional são também uma oportunidade para o interior do país, que, de Trás-os-Montes às Beiras e ao Alentejo, tantas portas tem visto fechar à sua volta. Algumas garrafas parecem levar as paisagens eternas de vinhas e montes inteiros consigo, ou as coreografias do pisoteio e o mosto a sangrar. (...)

Na origem de tudo está o terroir. E o terroir é quase tudo no universo vigoroso dos vinhos. É um termo que, compreensivelmente, não tem tradução, e nele moram todas as subtilezas e complexidades do vinho, e parte das razões que o explicam, mas não todas, que cada vinho, como uma bela mulher, guardará sempre para si uma parte do mistério. (...)

Poderá ler o resto da reportagem na edição em papel do Jornal Abarca, disponível nos postos de venda habituais.

(0) Comentários
Escrever um Comentário
Nome (*)

Email (*) (não será divulgado)

Website

Comentário

Verificação
Autorizo que este comentário seja publicado



Comentários

PUB
crónicas remando
PUB
CONSULTAS ONLINE
Interessa-se pela política local?
 81%     Sim
 19%     Não
( 196 respostas )
© 2011 Jornal Abarca , todos os direitos reservados | Mapa do site | Quem Somos | Estatuto Editorial | Editora | Ficha Técnica | Desenvolvimento e Design