Home »
29 NOV 2019
Abrantes - Festivais são para continuar
Por Jornal Abarca

Desde que Manuel Valamatos tomou posse como presidente da Câmara Municipal de Abrantes foram cancelados vários eventos culturais habituais na cidade. A autarquia diz que não há uma mudança de paradigma, mas que estão a ser redefinidas estratégias.

Foi a 18 de Fevereiro deste ano que Manuel Jorge Valamatos, número dois na autarquia abrantina, ascendeu à presidência da Câmara Municipal de Abrantes, em virtude de a edil na altura, Maria do Céu Albuquerque, agora ministra da Agricultura, ter sido nomeada secretária de Estado do Desenvolvimento Regional na área do Planeamento. 

A verdade é que, alguns eventos que vinham a tornar-se habituais em Abrantes, não tiveram edição em 2019, por decisão do executivo. O último certame a ser cancelado foi o Festival da Filosofia, que se realizava anualmente desde 2017. Apesar de decorrer em Abrantes, este festival é, também, da responsabilidade do Clube de Filosofia de Abrantes, em parceria com os municípios de Mação e Sardoal, os Agrupamentos de Escolas dos três concelhos e a Palha de Abrantes (Associação de Desenvolvimento Cultural). No ano passado houve, inclusive, uma parceria com a Fundação Serralves, o que elevava as expectativas para a edição agora cancelada. Contactada pelo abarca, a Câmara Municipal de Abrantes lembra que o Festival de Filosofia “é um evento de grande importância, com muito potencial” esclarecendo que “a Câmara e o Clube de Filosofia de Abrantes vão trabalhar para que o Festival de Filosofia regresse em 2020, com a determinação e a grandeza que o evento merece”. 

Este não foi o único evento cancelado em 2019 pelo executivo liderado por Manuel Valamatos. Sobre o 180º Creativa Camp Abrantes o executivo sublinha que “foi um acontecimento distintivo e singular” referindo-se ao evento no passado. Ainda assim, é dada importância ao certame referindo-se a “aposta municipal desde o ano de 2013 no contacto com alguns dos mais inovadores criadores internacionais das áreas do vídeo, música, fotografia, design, cinema, arquitectura, instalação e artes plásticas”. O cancelamento em 2019, justifica a autarquia, prende-se com a mudança de legislação “de onde resultam novos procedimentos” que geraram “um impedimento legal na contratação directa da marca que assumiu o Creative Camp e com quem se estabeleceu uma estreita colaboração durante seis anos”. Sem se comprometer com o regresso do 180º Creative Camp a Abrantes, a autarquia assume que “novas formas de actuação serão apresentadas oportunamente” com a certeza “de que os projectos que envolvem a participação da comunidade são os mais grandiosos”, justificam. 

Como não há duas, sem três, abordámos também o cancelamento do Encontro Ibérico do Azeite em 2019, que representa uma das mais fortes imagens de marca do concelho de Abrantes. A Câmara Municipal esclarece que este cancelamento já estava previsto desde 2018, altura em que, “em articulação com a Comissão Organizadora do Encontro Ibérico do Azeite” ficou definido que “o certame necessitaria de uma nova estratégia organizativa” existindo a perspectiva de surgir “um novo figurino associado à fileira deste nosso produto milenar a partir de 2021”. 

Redefinição de Estratégias e a Agenda 21 
A autarquia é peremptória ao sublinhar que “não existe uma mudança de paradigma” mas assume uma “redefinição das estratégias de actuação” com vista a uma “continuada afirmação das políticas públicas que se pretendem ajustar aos desafios da próxima década em Abrantes e na região, numa cada vez maior acção de democratização do território e de cultura para todos”, sendo por isso de esperar novos eventos que cheguem a outros territórios do concelho além da cidade de Abrantes. 

O executivo revelou ainda que será apresentado em breve o programa cultural Agenda 21, um “instrumento de planeamento estruturante para a década 2020/2030 no que às questões de política cultural concerne” privilegiando a interactividade “com os demais sectores de actividade” como as áreas “da tecnologia, da comunicação, das artes e do turismo”. 

A Agenda 21 permitirá, na óptica do executivo de Abrantes, a “afirmação da criação artística local e de valorização e renovação das artes e tradições” sublinhando que essa busca pela raiz local do património cultural “farão parte das práticas artísticas associadas e em plena harmonia” com as restantes entidades municipais e parceiros existentes. 

Em relação aos eventos cancelados este ano, o Festival de Filosofia regressará em 2020, o Creative Camp “será substituído por uma nova agenda cultural, com múltiplas acções associadas” e em 2021 aparecerá “um novo evento dedicado ao azeite”.

(0) Comentários
Escrever um Comentário
Nome (*)

Email (*) (não será divulgado)

Website

Comentário

Verificação
Autorizo que este comentário seja publicado



Comentários

PUB
crónicas remando
PUB
CONSULTAS ONLINE
Interessa-se pela política local?
 81%     Sim
 19%     Não
( 214 respostas )
© 2011 Jornal Abarca , todos os direitos reservados | Mapa do site | Quem Somos | Estatuto Editorial | Editora | Ficha Técnica | Desenvolvimento e Design