Home »
19 OCT 2021
CRÓNICA | "Os Vampiros atacam de novo", por Anabela Ferreira
Por Jornal Abarca

Desde o processo histórico da Reconquista Cristã que a visão ocidental do mundo se divide entre nós e os outros, o inimigo. Os reinos cristãos contra al-andalus. A religião era o móbil, mas esta motivação escondia, obviamente, de parte a parte, a motivação da cultura e visão ou perspetiva humana diferentes e os motivos habituais inerentes ao ser humano, como o domínio territorial e a riqueza associada e este.

Curioso é que passam milénios e a religião continua a ser o álibi para que a luta continue desenfreada. A pretexto de impor um Deus, mata-se, tortura-se, desloca-se do seu território uma população inteira. Parece uma questão irascível. Contudo, esta é uma face da questão. Apenas uma.

Conhecemos a necessidade do mercado escoar os produtos que fabrica. Cinco países fabricam cerca de 75% das armas do mundo.

Vamos chamar os vampiros pelos nomes. De acordo com o SIPRI (acrónimo para Instituto Internacional de Estudos para a Paz), em primeiro lugar, os Estados Unidos que encabeçam a lista dos produtores de armamento (com cerca de 61% das vendas) e se distanciam consideravelmente do segundo lugar que não poderia deixar de ser a arqui-inimiga China (cerca de 16%). A Europa não é inocente nem isenta de culpa. Apesar de só uma empresa britânica integrar a lista das 10 principais empresas vendedoras de armas, ao unirmos as empresas europeias elas alcançariam um nível semelhante aos anteriores lugares rivais… mais, o volume de negócios do top 25 de vendas de armamento tem vindo a crescer na ordem dos 8,5% e alcançou um patamar de cerca de 230 mil milhões de euros, ou seja, cinco vezes superior ao orçamento anual para as missões de manutenção de paz da ONU. Também o Médio Oriente com uma empresa que fundiu cerca de 25 grupos integra este top 25 e a Rússia diminuiu o seu volume de negócios nesta área não  por rebate de consciência ou humanitarismo extemporâneo, claro, mas, segundo a diretora do programa de armamento e gastos militares do SIPRI, Lucie Béraud-Sudreau, devido a contingências internas afetadas pelas sanções que foram impostas a este país pela comunidade internacional e devido à quebra do preço da energia do qual a economia russa muito depende.

Compreende-se perfeitamente a política de abandono das forças militares de teatros de guerra em países como a Síria e o Afeganistão. Têm que existir territórios de despejo de armas. Há que criar e estimular a necessidade para incrementar o consumo.

Ocorre-me a canção-grito de revolta “No Bravery” do iluminado e sensível James Blunt que de forma tão sentida interpreta este tema. Tendo sido, não por acaso, capitão do exército real britânico sabe do que canta.

No entanto, o mundo é um só. Na Síria, volvida mais de uma década de conflito armado, 12 milhões de sírios (metade da população) veem-se forçados a fugir produzindo a maior crise mundial de deslocações populacionais do século. Os países vizinhos são os mais penalizados, mas todo o mundo acaba por sofrer algumas alterações com estas migrações. Há países que funcionam como jangadas desejadas de acolhimento para estes povos. Não obstante, sabemos que ocupante a ocupante o peso pode ser demasiado e a jangada pode ir ao fundo.

O Afeganistão é o ponto recente de avanço dos outros…

Esquecem-se aqueles vendedores-vampiros que um dia a balança pode perder o equilíbrio e, quer por domínio do outro lado, já não passível de controlo, quer por implosão das sociedades dos deste lado, tudo possa transformar-se no caos.

Assim, usando ironicamente uma frase convencional, não se trata de algo pessoal, são apenas negócios. Mas estes negócios podem atingir todos, até os que se julgam intocáveis.

(0) Comentários
Escrever um Comentário
Nome (*)

Email (*) (não será divulgado)

Website

Comentário

Verificação
Autorizo que este comentário seja publicado



Comentários

PUB
crónicas remando
PUB
CONSULTAS ONLINE
Interessa-se pela política local?
 77%     Sim
 23%     Não
( 284 respostas )
© 2011 Jornal Abarca , todos os direitos reservados | Mapa do site | Quem Somos | Estatuto Editorial | Editora | Ficha Técnica | Desenvolvimento e Design