Home »
20 DEZ 2021
OPINIÃO | "Pandemia Mental", por Armando Fernandes
Por Jornal Abarca

Estamos a atravessar tempos de pandemia, pandemia sanitária e pandemia mental. Mental. A praga ameaçadora da nossa saúde e existência tem sido pretexto para vários géneros de bizarrias desde as vaidosas às de contumácia política e comunicacional, passando pelas tenebrosas de boatos tão danosos quanto um guisado polvilhado de arsénico servido com intenção não de debastar a cabeleira da vítima, sim a de a pouco-e-pouco o efeito ser igual ao da maléfica pandemia, ou seja: enviar desta para melhor o ou a criatura bebedora da zurrapa venenosa.

Não sabemos e nunca vamos saber quantas mortes resultarão da maligna doença, seguramente, centenas de milhões, porém a pandemia mental está a afectar toda a Humanidade em geral, os portugueses em particular.

Vários cientistas e especialistas de múltiplas valências têm alertado para o problema, no entanto, os sinais de fogo (leiam o livro com este título de Jorge de Sena) só quem os analisa se preocupa, a generalidade da população prefere a farândola diária à reflexão. As denominadas elites participam no forrobodó pois a maioria dos protagonistas aufere lucros de diversos matizes.

Vejamos alguns sinais desse fogo, recordemos o inferno de Dante e os quadros de Pieter Bruegel, façamos o sacrifício de estar uma tarde e uma noite inteira a cirandar de canal em canal televisivo na esperança de João Rendeiro só merecer três minutos de atenção, o tempo concedido ao burlão pela CNN Portugal ultrapassou todos os limites a denunciarem o ridículo informativo do canal rotulado de inovador, os enredos de Jorge Jesus quatro e as promessas dos cortesãos socialistas cinco. Não encontramos. A nuvem pandémica mental cobre o firmamento ora recheado de asteróides em corrida a fazer esquecer as da Fórmula 1.

Todas as semanas a máquina não do tempo, sim do ópio noticioso e bastardo entretenimento, substituiu o ópio denunciado pelo marialva Karl Marx (Carlos Marques na imprensa da oposição a fim de enganar os esbirros da PIDE), produzindo alienações pandémicas a atrofiarem a sanidade de miúdos e graúdos, desde os cinco anos (idade recomendada para a vacinação) até aos 99 anos de idade, os quais têm a sorte ou o azar de ainda permanecerem no Ocidente da vida.

A cacofonia mental avança no quase triunfo da normalização rasteira, a geração rasca ganhou idade, deixou sementes de violência expressas nas desordens combinadas através da «sacra» Internet, o gozo é partir e vandalizar tudo, incluindo os queixos dos zaragateiros vindo de longe ou de perto, estudiosos dos seus direitos, analfabetos militantes dos seus deveres, mas muito lestos a gritarem e recitarem a vulgata dos direitos humanos quando a Laranja Mecânica (vejam o filme) se abate sobre eles.

O tempo do Feiticeiro de Oz e da Branca de Neve (símbolo da pureza) já se perdeu há dezenas de anos, de resto os arautos do neutro proclamam o fim das diferenças, as mulheres e os homens passaram à condição de balões vazios de conteúdo singular, de personalidade gerada na família, na escola, na sociedade.

A agressiva campanha contra a memória específica dos povos colonizadores e colonizados prossegue, pessoas estrangeiras bem acolhidas na Pátria portuguesa a ponto de lhes conceder a honra de passarem a usufruir do estatuto de nacionais mal conseguem o almejado passaporte desatam a esbracejar e vociferar contra o nosso passado, chegando a defenderem a vandalização dos elementos constitutivos da nossa identidade ante a passividade das autoridades policiais e judiciais.

Neste dealbar do Ano Novo (votos de felicidades para os restantes leitores e para aqueles que com imenso esforço conseguem pensar e produzirem este jornal), não vislumbro remédio ou vacina capaz de erradicar a pestífera moléstia mental, as redes sociais alicerçam o meu pessimismo, de qualquer modo e forma, vou continuar a resistir escorado nos meus queridos amigos – os livros –, além de não pedirem nada em troca dos seus conselhos e ensinamentos, nas horas aziagas a regurgitarem lembranças do passado conseguem-me aquietar a anima e aceder ao tal Sinal, o do sol quando as nuvens o encobrem. Saber interpretar o escondido Sinal é trabalho nunca concluído assim o intui através dos amados livros. A obra O Homem Sem Qualidades, de Robert Musil é fonte de ensinamentos a fim de abstrair-me do som dos chocalhos do rebanho silencioso dos inocentes cujo pastor reboludo de inqualidades veiculadas pelo vento do facilitismo apressado pois pensar dá um trabalho dos Diabos!

Auspicioso Ano Novo.

(0) Comentários
Escrever um Comentário
Nome (*)

Email (*) (não será divulgado)

Website

Comentário

Verificação
Autorizo que este comentário seja publicado



Comentários

PUB
crónicas remando
PUB
CONSULTAS ONLINE
Interessa-se pela política local?
 77%     Sim
 23%     Não
( 288 respostas )
© 2011 Jornal Abarca , todos os direitos reservados | Mapa do site | Quem Somos | Estatuto Editorial | Editora | Ficha Técnica | Desenvolvimento e Design